Rosangela Demetrio


Macedônia: um país com fome de progresso

Um país que vive um momento importante em sua história, buscando avivar sua capacidade de desenvolvimento, mostrar o valor de seu povo e de suas tradições

Há muito eu não ouvia algo sobre a Macedônia. Até que assisti à campanha que a CNN vem veiculando na TV a cabo. Com direito a pouco espaço na mídia internacional, esse país guarda um certo mistério, que me chamou a atenção, a ponto de escrever este artigo.

Quando pensamos em Macedônia, a tendência é relacioná-la à Grécia. Mas, é aí mesmo que se encontra um ponto de conflito. Existe uma controvérsia que questiona o direito de uso do nome Macedônia, pois além de ser uma palavra grega, a Grécia considera o nome como parte de seu passado cultural e já possui uma região chamada Macedônia. Devido a isso, o ingresso da Macedônia na Organização das Nações Unidas em 1993 só foi possível sob a referência provisória de Antiga República Iugoslava da Macedônia. Entretanto, hoje existe uma corrente de países, incluindo Estados Unidos, Rússia e China, que já abandonaram tal nomenclatura, adotando apenas Macedônia.

De governo parlamentarista, a Macedônia conquistou sua independência da Iugoslávia em 1991. Circundada por Grécia, República do Kosovo, Bulgária e Albânia, sua capital é Skopje. Com população estimada em mais de dois milhões de habitantes, a Macedônia tem em seu território uma minoria albanesa, que se queixa de discriminação e exige que a região onde vive seja autônoma. E as interferências sobre aquele pedaço de terra já vêm acontecendo há muito tempo.

Em 1998, os sérvios iniciaram uma limpeza étnica na província sérvia de Kosovo, ou seja, começaram a exterminar os kosovares de origem albanesa que compunham 90% da população daquela região. Com isso, milhares de refugiados migraram para a Macedônia e montaram precários acampamentos. Em 2001, foi a vez das tropas rebeldes albanesas, que avançaram sobre o solo da Macedônia, a qual contra-atacou violentamente. A OTAN chegou a propor apoio ao governo macedônio em julho de 2001, mas três meses depois houve a proposta de trégua aos rebeldes, o que promoveu um cessar-fogo e a retirada das tropas das cidades.

Recentemente, o panorama é de equilíbrio e reconstrução naquele país, que vem recebendo investimentos internacionais, inclusive com a instalação de uma planta fabril da Johnson Matthey, o que contribui para a queda da taxa de desemprego. No âmbito da educação, a Macedônia, com o apoio da USAID, investe pesado para oferecer cursos de tecnologia e eletrônica à população. O intuito é gerar mão-de-obra qualificada para receber indústrias estrangeiras do segmento tecnológico e multinacionais de outros setores da economia que ajudarão no desenvolvimento estrutural do país. O povo macedônio precisa de infra-estrutura e apoio para se reerguer, sem deixar de lado suas tradições, sua cultura e sua história.

Artigo publicado no Jornal Empresas & Negócios em 2 de junho de 2010. Qualquer reprodução deverá conter fonte e autoria.

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: