Rosangela Demetrio


Quer negociar com países árabes?

O Brasil exportou US$ 820 milhões aos países árabes só no mês de novembro último, revelando um aumento expressivo das vendas à Síria, Iraque, Egito, Iêmen e Bahrein. Para auxiliar organizações e empresários na realização cada vez maior de negócios com o Oriente Médio, consideramos fundamental o conhecimento de alguns detalhes importantes do calendário islâmico

A maioria dos povos árabes utiliza dois calendários: o islâmico, para o cotidiano e os propósitos religiosos; o gregoriano, para assuntos civis e comerciais. Embora na vida diária o calendário gregoriano seja mais comum, bilhões de muçulmanos usam o calendário lunar islâmico para determinar os principais dias religiosos islâmicos, a exemplo do início e final do mês de Ramadhán, período em que os fiéis estão proibidos de comer, de beber e de quaisquer outras atividades carnais, do nascer ao por do sol, podendo fazê-lo somente à noite. Não é propriamente um feriado, mas nesse período os negócios podem sofrer interrupções.

O ano gregoriano corresponde a um giro da Terra em torno do Sol, tem 365 ou 366 dias. O calendário islâmico é lunar, organizado com base no giro da Lua em torno da Terra. Um mês é realizado em 29 dias, 12 horas e 40 minutos. Sendo assim, o calendário lunar tem 354 ou 355 dias, divididos em 12 meses, 6 de 29 dias e 6 de 30 dias, ficando então 11 dias mais curto do que o ano gregoriano. Isso gera um deslocamento das estações do ano. Devido a esse deslocamento, o mês do Ramadhán pode cair no inverno, em outros anos pode cair no verão, quando a temperatura chega a atingir 50oC. Com tanto calor, não é propício realizar negócios num período em que não se é recomendado beber nem água durante o dia.

Procure evitar também o período do Hajj, em que os muçulmanos de todo o mundo cumprem o dever de peregrinar à Meca – nessa época, a Arábia Saudita recebe quase dois milhões de peregrinos, e os negócios com estrangeiros normalmente não são realizados; o Eid Al-Adha , quando os muçulmanos se congratulam, tal como os cristãos fazem entre si no Natal; o dia de Ano Novo muçulmano, Achura, comemorado pelos xiítas; a data do nascimento do Profeta Muhammad, entre outras datas.

Outra observação importante é que, nos países islâmicos, o dia dedicado ao descanso, equivalente ao domingo dos países ocidentais, é a sexta-feira. A maioria dos países islâmicos adotou a semana de cinco dias, e, portanto, não se trabalha sexta e sábado, na maioria deles, ou quinta e sexta em alguns, como na Arábia Saudita. Para evitar dissabores, o melhor é obter, junto à Câmara de Comércio Árabe Brasileira (www.ccab.org.br), maiores informações sobre os feriados religiosos do país de interesse. 

Este artigo, escrito por Rosângela Demetrio, inclui dados publicados no site da Amani Consultoria e foi publicado no jornal Empresas&Negócios, em 06/01/2010, caderno Economia, página 5.

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: